O underground gastronômico de Buenos Aires pt. 3 – El Cunqueiro


Tudo começou quando decidir a uma casa de milonga em Buenos Aires. Como já iria no La Catedral, resolvi abrir mão dos modernosos restaurantes de Palermo e me aventurar na região da casa de milonga. Chegando lá, logo na esquina havia uma pizzaria e um restaurante bem vagabundo na outra esquina. Obviamente que fui no vagabundão mesmo.

Ao sentar, descobri o nome do restaurante no prato: El Cunqueiro. Nem imagino o que isso deva significar, pero, sentei e resolvi avaliar o cardápio. Tal qual o restaurante da noite anterior, o garçon serviu uns pães e manteiga.

Mesmo com a minha já tradicional fama de bundão, fui direto para as indicações da casa. Procurei algo que não conhecia para poder perguntar aos garçon. Eis que uma palavra muito carinhosa me chama a atenção: conejo. Chamei o mètri e perguntei o que era. Ele, muito sucintamente respondeu que era uma carne. Me limitai a questionar a cor da carne: roja? E ele acenou positivamente. Na hora, imaginei que ‘conejo’ poderia ser um corte específico de alguma parte do boi, ou da vaca.

Quando veio o prato, chamei o garçon e o indaguei sobre nossa primeira conversa: “Tu não falou que era uma carne vermelha? Tu me traz frango?”. Ele, delicadamente, se surpreendeu com minha burra indagação e complementou que se tratava de um animal pequeno, que dava vários pulos. Foi quando meus 2 neurônios acordaram e quem se surpreendeu novamente foi a minha pessoa ao se dar conta de que eu tinha pedido coelho. O que, pra mim, a priori, naquele momento, não tinha nada de negativo.

Se eu comeria novamente? Com certeza! Não sei se era o sabor do molhinho que estava muito bom, se era o sabor do coelho propriamente, só sei que o sabor é inconfundivelmente bom. Parecia que era alcoólico… com cerveja e/ou vinho… Outro ponto que me chamou atenção no prato foi o tamanho das batata: ultré-pequenas, do tamanho de um grão de bico.

Percebam que osso não falta no bichinho que pula… e não restou nem 1 gota de molho pra contar história! Falei que estava bom, oras!

O lugar oferece comida a preços módicos, apesar do garçon ser um pouco lerdo. 100% de nativos 0% de gringos.

Diferente da milonga que de nativos só os garçons e os professores de dança. Mas o La Catedral é muito bonito por dentro e as músicas acompanham a boa qualidade do lugar.

El Cunqueiro
Medrano 501
Buenos Aires – Argentina
Phone: 011.4864.5859

La Catedral
Sarmiento 4006
Buenos Aires – Argentina

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: